quinta-feira, 15 de abril de 2010

A hora da Terra

A hora da Terra


Acho mesmo que o mundo vai acabar. Em 2012, como já disseram os maias e tantos outros. Definitivamente a natureza se rebelou contra a podridão humana. Revolveu o lixo abaixo do lixo emocional. Quem era bom, livrou-se de ver coisa pior, quem era lixo misturou-se a ele.
Não sejamos hipócritas! O homem, do jeito como se desenvolveu deformado, não tem muito que fazer para voltar a ser puro e ignorante, como fomos criados. A saída, provavelmente, será tirar tudo o que nos levou a essa situação de pragmatismo doente, de indiferença completa, de intolerância absoluta a tudo. Bem que houve quem nos alertasse: veio Cristo, Buda, Ghandi, Martin Luter King, Chico Xavier, João Paulo II, Dalai Lama, enfim, não foi por falta de aviso que o homem entrou pelos descaminhos humanos.
Quando Martin Luther King disse: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.” , não tinham idéia de quantos gritos ainda ouviríamos e de quanto silêncio precisávamos.
Depois, Ghandi deu de bandeja a chave da felicidade, mas ninguém entendeu direito. Era difícil tornar a teoria em prática, então deixaram pra lá: "Felicidade é quando o que você pensa, o que você diz e o que você faz estão em harmonia" – Ghandi.
O fato é que está longe da harmonia "Uma civilização (que) é julgada pelo tratamento que dispensa às minorias."(Ghandi). Agora imaginem quando o que ele chamava de minoria tornou-se maioria dominada! Não há muito mais que possamos fazer? A impotência foi sacramentada pelas próprias Constituições, cujos deveres do Estado e da sociedade são ignorados porque todos que têm voz continuam brigando pelos direitos que não atingem a quase ninguém! Não estou dizendo que não se devam cobrar direitos ou que ninguém cumpre deveres constitucionais, mas o fato é que pela grandiosidade do mundo e de seus labirintos, o que acontece é quase nada. Ainda assim, esse grão precisa continuar na terra, regado a sentimentos e cuidados.
Pode ser que o Criador tenha perdido a paciência de vez e resolvera fazer a limpeza Ele mesmo. Quem não sabe manda, quem sabe faz. Perdemos o bonde.
Como uma última tábua de salvação, vale a pena, ainda que estejamos no fim, lembrarmo-nos de avisos bons: “Ame profunda e passionalmente. Você pode se machucar, mas é a única forma de viver o amor completamente.” - Dalai Lama.

Um comentário:

Marcvc disse...

Tem razão, professora, o jeito que os maus trataram esses pensadores, é o jeito que deveria ser tratada a sijeira, mas tão poucos são os que realmente o fazem.
Marcos